Bebê pode tomar vacina com febre? Saiba se é necessário adiar a imunização

22/07/2023 Saúde Saúde Livre Vacinas

A febre não é sempre um motivo para preocupação. O aumento da temperatura é uma reação natural do corpo para se proteger de ameaças, como vírus e bactérias. Será que isso afeta a imunização? Muitos pais se perguntam se devem levar o bebê tomar vacina com febre.

Criança com febre

O que é febre?

Em geral, o corpo humano se mantém entre 36°C e 37,5°C, podendo variar cerca de 0,5ºC ao longo do dia. A temperatura normalmente é mais baixa no início da manhã, e mais alta no final da tarde. Bebês com menos de três meses costumam ser mais quentes, assim como idosos podem ficar mais frios.

Quando o sistema de defesa do organismo está ativado, o centro termorregulador do hipotálamo envia a mensagem para os órgãos de que é necessário produzir mais calor e evitar a sua perda. Isso significa, entre outras ações, ativar contrações musculares, diminuir o suor, eriçar pelos e dar a sensação de frio.

A febre, por si só, não é uma doença; ela pode indicar a presença de um agente externo ou alguma outra condição médica. O aumento de temperatura mostra que o corpo está de protegendo de alguma anomalia. Acima de 38ºC, o corpo humano se torna inóspito para micro-organismos, que têm sua capacidade de reprodução limitada.

O consenso entre os médicos é de considerar febre a temperatura a partir de 37,8ºC. A partir de 39ºC, caracteriza-se febre alta.

Vacina com febre

A recomendação do Ministério da Saúde é que, na presença de doença febril grave, adie-se a vacina até a resolução do quadro. O motivo é que se torna mais difícil observar as reações do imunizante quando já existe um quadro de febre instalado. Nesse caso, indica-se aguardar 48h sem febre.

Em casos de febre baixa (também chamada de febrícula), ou seja, entre 37,3℃ a 37,8℃, a vacina pode ser aplicada normalmente. Apesar disso, é importante ter uma avaliação médica caso a caso, com tratamento com antitérmicos quando necessário.

No entanto, caso o usuário – seja bebê ou adulto – apresente uma enfermidade sem a presença de febre, não há impedimento para a vacinação. Sintomas como dor de cabeça, tosse, catarro e dor de garganta não indicam que a imunização seja adiada. Além disso, ter reação febril a uma vacina anteriormente não contraindica a aplicação de uma nova dose.

Mas atenção: lembre-se de vacinar seu filho assim que possível. É importante seguir o calendário vacinal para não atrasar as futuras doses. Dessa forma, evita-se que a criança fique muito tempo desprotegida contra doenças.

Posts relacionados

É ‘só’ uma gripe? Conheça os verdadeiros riscos da influenza

A influenza atinge cerca de 1 bilhão de pessoas no mundo todos os anos, com 5 milhões de casos graves e até 650 mil […]

Saúde Livre Vacinas, 23 de maio de 2024
Vítimas e socorristas do Rio Grande do Sul recebem orientações.

Rio Grande do Sul: as vacinas recomendadas para vítimas e socorristas

A Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) e a Sociedade Gaúcha de Infectologia (SGI) divulgaram nesta semana uma nota […]

Saúde Livre Vacinas, 17 de maio de 2024

Chuvas: como cuidar da saúde em situações de emergência?

Fortes chuvas têm afetado o Rio Grande do Sul nas últimas semanas, provocando enxurradas, enchentes, inundações, deslizamentos e desmoronamentos. Segundo a Defesa Civil do […]

Saúde Livre Vacinas, 09 de maio de 2024