Calendário da gestação: um guia da Saúde Livre para ajudar as mamães nesse momento tão especial  

21/03/2022 Saúde | Vacinas Saúde Livre Vacinas

Entender o calendário da gestação é o primeiro desafio da futura mamãe. Por isso, preparamos esse guia para ajudar você a entender essa contagem e trazer mais informações importantes para esse momento especial.

A gestação é talvez um dos períodos mais especiais da vida da mulher. Mas, mesmo para quem não é mãe de primeira viagem o friozinho na barriga é inevitável. A ansiedade toma conta, e dúvidas nunca antes pensadas começam. 

Nenhuma gestação é igual a outra. Ao iniciar uma gestação nunca sabemos como nosso corpo irá reagir. Especialmente para as mamães que estão vivendo esse momento pela primeira vez tudo é novidade, e todo dia se aprende algo novo. As mudanças são constantes e as dúvidas também.

A gestação normalmente dura uma média de 9 meses, ou 40 semanas, e após esse tempo o desenvolvimento do bebê está completo e ele está pronto para nascer. Todos os órgãos estão completamente formados, o coração bate aproximadamente de 120 a 160 vezes por minuto e o parto pode começar a qualquer momento.

Mas, não é assim tão simples. Por isso, segue a leitura que vamos te ajudar a entender tudinho.

CALENDÁRIO DA GESTAÇÃO: COMO SABER COM QUANTAS SEMANAS EU ESTOU? 

Para entender o calendário de gestação basta saber a Data da Última Menstruação (DUM) e contar em um calendário quantas semanas existem até à data atual.

O médico também pode informar sempre a idade gestacional corrigida, que é a data sugerida na ultrassonografia realizada na consulta de pré-natal para indicar com exatidão de quantas semanas a mulher está grávida e qual será a Data Provável do Parto (DPP).

Caso a mulher não saiba a data da última menstruação, a maneira mais indicada e confiável é sempre a ultrassonografia. 

CALENDÁRIO DA GESTAÇÃO SE CONTA EM SEMANAS E NÃO EM MESES. PORQUÊ?

Quem nunca perguntou para uma gestante de quantos meses ela está e teve a resposta dada em semanas? Contudo, não se assuste pois isso é muito normal no mundo mágico da maternidade. 

Para a gestante e para o médico é muito mais prático controlar a evolução da gestação em semanas, pois as mudanças no corpo da mulher e do bebê são muito rápidas. Por isso, é necessário um menor espaço de tempo para poder controlar melhor a evolução da gravidez.

Para algumas gestantes a situação é oposta. Algumas até esquecem em que mês estão, pois criam o hábito de contar somente em semanas. E acredite se quiser, cada semana é um mundo de novidades na vida da mamãe, do papai e do bebê.

TABELA DO CALENDÁRIO DA GESTAÇÃO 
1º TRIMESTRE 1 Mês 1 até 4 semanas de gestação 
1º TRIMESTRE 2 meses 5 a 8 semanas de gestação 
1º TRIMESTRE 3 meses9 a 13 semanas de gestação 
2º TRIMESTRE 4 meses 14 a 17 semanas de gestação 
2º TRIMESTRE5 meses18 a 22 semanas de gestação 
2º TRIMESTRE6 meses23 a 27 semanas de gestação 
3º TRIMESTRE 7 meses28 a 31 semanas gestação 
3º TRIMESTRE 8 meses 32 a 35 semanas de gestação
3º TRIMESTRE 9 meses 36 a 41 semanas de gestação 

Normalmente a gravidez dura 40 semanas, mas o bebê pode nascer entre as 39 e 41 semanas. Dessa forma, caso o trabalho de parto não comece espontaneamente até completar as 41 semanas, o médico decidirá qual a conduta a ser seguida de acordo com cada gestante. 

CALENDÁRIO DA GESTAÇÃO: Mudanças que ocorrem a cada trimestre 

1º Trimestre de gestação

Dentre todas as mudanças que ocorrem na gestação, o primeiro trimestre é aquele momento onde vamos passar a nos adaptar com as mudanças físicas e emocionais, que não serão poucas. Nesse primeiro momento os seios da mulher aumentam e a mulher pode sentir mais sono, mais fome, enjoos e até ficar mais cansada do que o normal.

Nesta fase, é importante alimentar-se de maneira saudável, não ingerir bebida alcoólica nem fumar ou usar drogas. É bom cuidar da higiene bucal, além de manter uma alimentação saudável, controlando a ingestão de açúcares.

2º Trimestre de gestação 

Os primeiros movimentos do bebê já podem ser sentidos e a gravidez já é visível, com o crescimento da barriga e alterações nos seios e nos quadris. Alterações emotivas também podem acontecer. 

3º Trimestre de gestação 

Nesse momento a ansiedade já toma conta da futura mamãe, está chegando o momento do parto. Como o corpo da mãe está se preparando para o parto e para acolher o bebê que vai chegar, o útero pode ficar contraído por instantes e também pode sair pelos mamilos um líquido amarelado, chamado colostro, que vai alimentar o bebê nos primeiros dias de vida. 

Nessa fase é normal sentir uma sensação de peso e desconforto, porque o bebê vai estar ocupando mais espaço na barriga. Você pode sentir também menos sono e mais dificuldade em ficar deitada. 

Desenvolvimento do bebê durante a gestação

1º Trimestre 

A partir da 4ª semana, o coração já bate de forma acelerada, aproximadamente 150 vezes por minuto. É nessa fase que se inicia a formação do sistema nervoso e dos aparelhos digestivo, circulatório e respiratório. Os olhos, a boca, o nariz, os braços e as pernas também começam a se desenvolver. O comprimento do embrião chega a 4 cm.

O período fetal, que começa no terceiro mês de gestação, é marcado pelo desenvolvimento do esqueleto, das costelas e dos dedos das mãos e pés. Todos os órgãos internos se formam até o fim do mês, quando o feto mede 14 cm.

2º Trimestre 

Nessa fase, o bebê mede cerca de 16 cm e começa a se movimentar, sugar e engolir. Ele também é capaz de perceber alterações de luz e diferenciar gostos amargos e doces.

A partir do quinto mês, nascem os primeiros fios de cabelo, os cílios e as sobrancelhas. Formam-se as trompas e o útero nas meninas e os órgãos genitais dos meninos podem ser vistos no exame de ultrassom. O bebê tem cerca de 25 cm de comprimento e consegue realizar movimentos como franzir a testa e chupar o dedo.

No sexto mês o bebê mede cerca de 32 cm e consegue reconhecer sons externos, especialmente a voz e a respiração da mãe. Lábios e sobrancelhas começam a ficar mais visíveis e as pontas dos dedos apresentam sulcos que se tornarão as impressões digitais.

3º Trimestre

No sétimo mês o bebê mede entre 35 cm e 40 cm. Dentro do útero, boceja, abre os olhos, dorme e se movimenta. Os órgãos internos continuam crescendo e ele ouve e reage a estímulos sonoros, como músicas e conversas.

No oitavo mês, o bebê mede entre 40 cm a 45 cm e começa a se preparar para ficar em posição de parto – de cabeça para baixo. Para ajudar a manter a temperatura do bebê depois do nascimento, uma camada de gordura se forma sob a pele. Os pulmões estão quase prontos e os ossos ficam mais resistentes.

No nono mês o bebê mede entre 45cm e 50cm, todos os órgãos estão completamente formados e ele já consegue controlar a respiração. Em torno da 40ª semana, ele está preparado para nascer.

CALENDÁRIO DA GESTAÇÃO: Quando iniciar o pré natal? 

O pré-natal deve começar assim que a mulher descobre que está grávida. O Ministério da Saúde recomenda que sejam realizadas no mínimo seis consultas (uma no primeiro trimestre da gravidez, duas no segundo e três no terceiro), sendo que o ideal é que a primeira consulta aconteça no primeiro trimestre e que até a 34ª semana sejam realizadas consultas mensais.

Entre a 34ª e 38ª semanas, o indicado seria uma consulta a cada duas semanas e a partir da 38ª semana consultas toda semana até o parto, que geralmente acontece na 40ª semana. Mas, lembre-se: a gestação pode durar até 42 semanas.

O pré-natal segue um protocolo para o monitoramento da saúde da gestante e do feto. Inclui anamnese, exame físico e análise de exames laboratoriais e de imagem.

Exames Laboratoriais mais comuns

Exames complementar de rotina são:

  • Hemograma completo 
  • Grupo sanguíneo e fator Rh.
  • Sorologia para sífilis (VDRL);.
  • Glicemia em jejum 
  • Teste Oral de Tolerância à Glicose
  • Exame sumário de urina (Tipo I).
  • Urocultura com antibiograma para o diagnóstico de bacteriúria assintomática 
  • Sorologia anti-HIV 
  • Sorologia para toxoplasmose, IgG e IgM 
  • Sorologia para hepatite B (HBSAg).
  • Protoparasitológico de fezes.
  • Colpocitologia oncótica.
  • Bacterioscopia da secreção vaginal – avaliação de perfil bacteriológico do conteúdo vaginal por critério de Nugent, indicada para pacientes com antecedente de prematuridade, possibilitando a detecção e o tratamento precoce da vaginose bacteriana, idealmente antes da 20ª semana.
  • Cultura específica do estreptococo do grupo B, coleta anovaginal ;
  • Ultrassonografia obstétrica

A assistência do pré-natal bem estruturada pode promover a redução dos partos prematuros e de cesáreas desnecessárias, de crianças com baixo peso ao nascer, de complicações de hipertensão arterial na gestação, bem como da transmissão vertical de patologias como o HIV, sífilis e as hepatites.

Vacinas indicadas para a gestante

Tríplice Bacteriana Acelular 

Também conhecida como dTpa adulto, a Tríplice Bacteriana Acelular é recomendada pelo Ministério da Saúde a fim de proteger contra a difteria, tétano e coqueluche. Atualmente, 87% dos casos de coqueluche no Brasil são em crianças menores de seis meses. Portanto, a vacina protege a gestante e transfere anticorpos ao feto, protegendo-o nos primeiros meses de vida da bactéria Bordetella Pertussis. Apenas uma dose, aplicada a partir da 20ª semana de gestação, já garante a imunização contra os agentes causadores das três doenças. Mulheres que perderam o prazo da vacinação podem se vacinar até 40 dias após o parto. 

Hepatite B

A hepatite B é transmitida pela prática do sexo desprotegido (sem preservativos), transfusão de sangue contaminado, compartilhamento de agulhas ou por materiais de manicure, pedicure e procedimentos odontológicos e cirúrgicos fora dos padrões de segurança. Além disso, a hepatite B pode ser transmitida para o bebê durante a gravidez no momento do parto e na amamentação.

Em situações especiais a vacina combinada Hepatite A e B é uma opção e pode substituir a vacinação isolada das hepatites.

Influenza

As mudanças no organismo da mulher durante a gravidez deixam a gestante mais vulnerável às complicações de uma infecção pelo vírus Influenza, por isso é importante fazer a vacina da gripe. A vacina da gripe é especialmente indicada para a gestante, e pode ser aplicada em qualquer período da gravidez. A campanha nacional contra a influenza costuma acontecer nos meses de abril e maio.

Quer garantir as vacinas necessárias para se proteger durante a gestação? Acesse a nossa clínica virtual e tire essa preocupação da sua cabeça.

Posts relacionados

Conheça a varíola dos macacos, doença que tem causado surtos pelo mundo

Desde o início deste ano, vários países afirmaram ter detectado casos de varíola dos macacos em seu território. A doença não é nova, mas […]

Saúde Livre Vacinas, 04 de julho de 2022

Álcool: pode beber depois de tomar vacina?

De acordo com o Google, beber depois da vacina é a maior dúvida do brasileiro desde o início da campanha contra o coronavírus.

Saúde Livre Vacinas, 28 de junho de 2022
Cuidados no inverno: vacinas previnem doenças respiratórias

Cuidados no inverno: saiba como proteger sua saúde durante a estação

Gripe, meningite e pneumonia são algumas das infecções que exigem cuidados no inverno. Saiba quais vacinas garantem a prevenção.

Saúde Livre Vacinas, 23 de junho de 2022