Entenda mais sobre a vacina hexavalente

14/03/2022 Saúde | Vacinas Saúde Livre Vacinas

Se existe algo que deixa os pais felizes na hora de levar os filhos para vacinar é saber que ele irá receber uma picadinha a menos. E a vacina hexavalente proporciona isso. 

A vacina sêxtupla acelular, mais conhecida como HEXA ou hexavalente, possui esse nome pois previne 6 doenças muito importantes: tétano, difteria, coqueluche, meningite por Haemophilus influenzae tipo b, a poliomielite e ainda hepatite B. 

A Saúde Livre preparou um material para que você entenda um pouco mais sobre essa vacina importante que está no calendário vacinal dos pequenos. 

Vacina hexavalente é segura?

A vacina hexavalente é uma vacina inativada. Isso quer dizer que ela não pode causar as doenças que ela previne. Por isso, os pais podem ficar muito tranquilos quando forem realizar essa vacina, pois mesmo prevenindo 6 doenças ao mesmo tempo, a vacina é extremamente segura e eficaz.

O imunizante disponível na rede particular é acelular, o que significa que a probabilidade de reações adversas é quase nula ou bem menos intensa quando comparadas com a de células inteiras, como no caso das vacinas disponíveis na rede pública. Isso diminui em até 95% as chances de reações. É por esse motivo que os pediatras indicam que tal vacina seja feita em clínicas particulares.

Doenças que a vacina hexavalente previne

Difteria

  • Essa doença, prevenível por vacina, é também conhecida como “crupe”. Ela é causada pela bactéria Corynebacterium diphtheriae, que vive na boca, garganta e nariz da pessoa infectada e produz uma toxina que pode gerar graves complicações, como a insuficiência cardíaca e a paralisia.

Transmissão:

A difteria é transmitida por via respiratória, em gotículas de secreção eliminadas durante a tosse, o espirro ou a fala. Para o controle da difteria é preciso que pelo menos 80% da população esteja vacinada. A doença é mais frequente em regiões com situação sanitária deficiente e maior índice de aglomeração de pessoas, onde geralmente há baixa cobertura vacinal.

Tétano

  • O nome tétano vem do grego antigo e significa “contrair e relaxar”, uma referência às contraturas musculares generalizadas provocadas quando os esporos da bactéria Clostridium tetani atingem o sistema nervoso. A doença é extremamente grave e oferece alto risco de morte.

Transmissão:

O tétano não é transmissível de uma pessoa para a outra. A doença é adquirida de duas formas:

  • Tétano acidental: decorre da contaminação de ferimentos externos — geralmente perfurações — contaminados com terra, poeira, fezes de animais ou humanas.
  • Tétano neonatal: adquirido pelo bebê seja na hora do corte do cordão umbilical, devido ao uso de instrumentos contaminados, ou durante o tratamento do coto do umbigo, pela aplicação de substâncias infectadas.

Coqueluche

  • Também conhecida como “tosse comprida”, a coqueluche é causada pela bactéria Bordetella pertussis, que vive na garganta das pessoas. A coqueluche, doença prevenível por vacina, pode causar ainda pneumonia, convulsões, comprometimento do sistema nervoso e morte.

Transmissão:  

Mesmo que com poucos sintomas, transmite-se de uma pessoa para a outra por gotículas de saliva ao falar, tossir ou espirrar.

Haemophilus influenzae tipo B (Hib)

  • Antes da era da vacinação contra o haemophilus influenzae tipo B, essa bactéria era grande causa de doença grave em menores de 5 anos. No final dos anos 1980 ela foi a principal causa de meningite bacteriana nessa faixa etária, acometendo uma em cada 200 crianças. Entre as que adoeciam, 5% morriam e 25% sofreram danos cerebrais permanentes.

Transmissão:

A bactéria Haemophilus influenzae tipo b vive na garganta das pessoas. Mesmo sem causar doença no portador ela pode ser transmitida por via respiratória (gotículas de saliva e secreções), através da tosse, espirros e respiração.

Poliomielite

  • Você já deve ter ouvido falar em poliomielite, pólio ou simplesmente paralisia infantil. Até a década de 1950 a poliomielite causava verdadeiro pânico no mundo inteiro, tudo por conta de consequências tão graves quanto a paralisia ou a incapacidade de respirar sem a ajuda de aparelhos. E eram milhares de pessoas.

Transmissão:

A trasmissão pode ocorrer:

  • Contato direto entre pessoas;
  • Por via fecal-oral;
  • Por objetos, alimentos e água contaminados com fezes de doentes ou de portadores do vírus.
  • Por meio de gotículas de secreções da garganta durante a fala, tosse ou espirro.

Hepatite B

  • O vírus da hepatite B causa inflamação no fígado. Na maioria das vezes a hepatite B é assintomática e será descoberta apenas quando surgirem as complicações ou quando feita investigação por meio de exame de sangue específico. Quando é sintomática, a doença costuma causar dores musculares e de barriga, diarreia, vômitos, cansaço, perda de apetite e pele ou olhos amarelados (icterícia). 

Transmissão:

O vírus é encontrado em líquidos corporais, como o sangue, a saliva, as secreções da vagina e o sêmen. As formas mais comuns de contágio são: relação sexual sem proteção e compartilhamento de objetos contaminados por sangue. A transmissão também pode acontecer da mãe para seu bebê durante a gestação, no momento do parto ou pela amamentação. Ainda, por transfusão de sangue ou derivados contaminados, mas essas formas são mais raras atualmente devido ao maior controle de qualidade.

Vacina Hexavalente: indicação 

A vacina hexavalente é indicada para crianças a partir de 2 meses de idade e pode ser aplicada até os 7 anos. 

Esquema de doses recomendado para a vacina hexavalente

Para a vacinação rotineira de crianças (aos 2, 4, 6 meses e entre 12 e 18 meses), preferir o uso da vacina quíntupla (penta) ou sêxtupla (hexa ou hexavalente).

Vacina Hexavalente: reação após a vacina 

Segundo o site da Sbim (Sociedade Brasileira de Imunização), podem ocorrer as seguintes reações:

  • Vermelhidão, dor e inchaço no local da aplicação;
  • Pode ocorrer febre maior que 38ºC;
  • 1,9% das crianças vacinadas podem apresentar febre a partir de 40ºC
  • 1% das crianças vacinadas podem apresentar perda de apetite, vômito, irritabilidade, choro persistente e sonolência. 

Contraindicações da aplicação da vacina hexavalente

  • Maiores de 7 anos.
  • Crianças que apresentaram encefalopatia nos sete dias seguintes à aplicação anterior de vacina contendo componente pertussis (coqueluche).
  • Anafilaxia a qualquer componente da vacina.

Onde a vacina hexavalente está disponível

Na clínica Saúde Livre a vacina está disponível, e também nos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais (CRIE) e outros serviços privados de vacinação.

Saiba mais sobre a vacina hexavalente acessando o site da Saúde Livre Vacinas.

Procure a Saúde Livre mais próxima e vacine-se.

Posts relacionados

É ‘só’ uma gripe? Conheça os verdadeiros riscos da influenza

A influenza atinge cerca de 1 bilhão de pessoas no mundo todos os anos, com 5 milhões de casos graves e até 650 mil […]

Saúde Livre Vacinas, 23 de maio de 2024
Vítimas e socorristas do Rio Grande do Sul recebem orientações.

Rio Grande do Sul: as vacinas recomendadas para vítimas e socorristas

A Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) e a Sociedade Gaúcha de Infectologia (SGI) divulgaram nesta semana uma nota […]

Saúde Livre Vacinas, 17 de maio de 2024

Chuvas: como cuidar da saúde em situações de emergência?

Fortes chuvas têm afetado o Rio Grande do Sul nas últimas semanas, provocando enxurradas, enchentes, inundações, deslizamentos e desmoronamentos. Segundo a Defesa Civil do […]

Saúde Livre Vacinas, 09 de maio de 2024