Vai viajar? Saiba quais são as vacinas obrigatórias

03/01/2022 Saúde | Vacinas Saúde Livre Vacinas

Viajar é muito bom e todo mundo adora, mas você sabia que existem vacinas que são obrigatórias para viajantes? 

Tudo vai depender do local para onde você está indo viajar e também por onde você irá passar, fazendo escala ou conexões para chegar ao seu destino final.

A vacina da Febre Amarela já é conhecida dos amantes de viagens para o exterior, pois ela é uma das vacinas mais exigidas ou recomendadas nas viagens internacionais, mas se engana quem pensa que somente essa vacina é solicitada. Dentre as vacinas mais pedidas estão a Febre Amarela, vacina contra sarampo e contra meningites. 

Exigir a vacinação é uma forma de medida preventiva adotada por alguns países, evitando que o turista leve doenças para seu território, e não somente como proteção para a pessoa que está chegando. Um exemplo clássico é a vacina da Febre Amarela, que é exigida pois o Brasil é considerado área endêmica para a doença.  

A ANVISA possui uma página com orientações sobre as vacinas exigidas e recomenda que todos os viajantes se mantenham com a vacinação atualizada, sendo ela obrigatória para a viagem ou não.  

Vamos conhecer um pouco mais essas vacinas: 

FEBRE AMARELA

A febre amarela é causada pelo vírus de mesmo nome, um vírus composto por RNA, que pertence ao gênero flavivirus (assim como o vírus da Dengue), transmitido ao homem através da picada de mosquitos Aedes aegypti (no ciclo urbano) ou Haemagogus (no ciclo silvestre). A maior parte dos infectados apresenta poucos ou nenhum sintoma, mas transmite a doença caso seja picado por um mosquito e esse mosquito pique outra pessoa. Entre os que adoecem, a enfermidade pode ser muito severa, com letalidade que varia de 30 a 60%.

Conforme recomendado pela Sbim – Sociedade Brasileira de Imunização, o esquema de doses é:

Rotina

  • Crianças até 4 anos: duas doses, aos 9 meses e aos 4 anos.
  • Acima de 4 anos: Não há consenso sobre a duração da proteção conferida pela vacina. De acordo com o risco epidemiológico, uma segunda dose pode ser considerada pela possibilidade de falha vacinal.

Observação: O Ministério da Saúde usou em 2018 doses fracionadas como forma de conter o surto vigente na ocasião. A estratégia é reconhecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como segura e eficaz

SARAMPO 

Essa é mais uma doença viral que se manifesta de forma aguda, produzindo alterações na pele. É extremamente contagiosa e grave e pode ser evitada por vacina.

O sarampo é registrado em todo o mundo, principalmente entre o final do inverno e o início da primavera. A transmissão parece aumentar depois de estações chuvosas, em países tropicais como o Brasil.

A transmissão ocorre diretamente de uma pessoa para outra, por meio das secreções do nariz e da boca expelidas ao tossir, respirar ou falar. Para que seja possível interromper a transmissão do sarampo é preciso que 95% da população esteja vacinada.

Portanto, todas as crianças, adolescentes e adultos devem verificar se estão com suas doses de vacina em dia.

Existem duas vacinas disponíveis com o sarampo em sua composição. 

  • Tríplice Viral (Sarampo Caxumba e Rubéola) – Indicada para crianças, adolescentes e adultos. 
  • Tetra Viral (Sarampo Caxumba Rubéola e Varicela) – Indicada para crianças e adolescentes com menos de 12 anos em substituição às vacinas tríplice viral (Sarampo Caxumba e Rubéola) e varicela, quando a aplicação destas duas for coincidente.

MENINGITES 

A meningite é um processo inflamatório das meninges, membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal. O problema pode ser causado por diversos agentes, a exemplo dos vírus, que geralmente levam a quadros menos graves, e das bactérias. A meningite bacteriana mais frequente no Brasil é a meningocócica, causada pelos meningococos (Neisseria meningitidis). Extremamente perigosa, mata de 20% a 30% das pessoas que adoecem. Dos sobreviventes, de 10% a 20% ficam com alguma sequela, como surdez, amputação de membros ou comprometimentos neurológicos.

A transmissão se dá de pessoa para pessoa, por meio de gotículas e secreções que saem do nariz e da garganta quando os infectados falam, tossem ou espirram.

Existem 3 vacinas disponíveis contra 5 tipos diferentes de meningites bacterianas. São elas: 

  • Meningocócica C conjugada – Previne as doenças causadas pelo meningococo do tipo C. Possui indicação para crianças e adolescentes.

Para adultos e idosos com condições que aumentem o risco para a doença meningocócica ou de acordo com a situação epidemiológica. Para viajantes com destino às regiões onde há risco aumentado da doença.

  • Meningocócica ACWY – Previne contra as meningites e infecções generalizadas (doenças meningocócicas) causadas pela bactéria meningococo dos tipos A, C, W e Y.  Possui indicação para crianças a partir de 2 meses e adolescentes. Para adultos e idosos com condições que aumentem o risco para a doença meningocócica ou de acordo com a situação epidemiológica. Para viajantes com destino às regiões onde há risco aumentado da doença.
  • Meningocócica B – Previne as meningites e infecções causadas pela meningite do tipo B.  Possui indicação para crianças e adolescentes, conforme recomendações das sociedades brasileiras de Pediatria (SBP) e Imunizações (SBIm). Para adultos com até 50 anos, dependendo de risco epidemiológico. Para viajantes com destino às regiões onde há risco aumentado da doença. Para pessoas de qualquer idade com doenças que aumentem o risco para a doença meningocócica.

Todas as vacinas contra a meningite são inativadas, ou seja, não podem causar a doença. 

Caso você possua alguma contraindicação a vacina que é exigida no seu país de destino, é importante que você procure um médico para que seja fornecido um atestado de isenção do imunizante, e entre em contato com a ANVISA. 

Pensar na sua saúde e no seu bem estar é o que a Saúde Livre faz de melhor, previna-se e não deixe de se vacinar. 

ÓTIMAS FÉRIAS!

Se você vai viajar e precisa de ajuda para fazer o seu certificação internacional de vacinação e profilaxia – CIVP, acesse no nosso material clicando aqui.

Posts relacionados

Conheça a varíola dos macacos, doença que tem causado surtos pelo mundo

Desde o início deste ano, vários países afirmaram ter detectado casos de varíola dos macacos em seu território. A doença não é nova, mas […]

Saúde Livre Vacinas, 04 de julho de 2022

Álcool: pode beber depois de tomar vacina?

De acordo com o Google, beber depois da vacina é a maior dúvida do brasileiro desde o início da campanha contra o coronavírus.

Saúde Livre Vacinas, 28 de junho de 2022
Cuidados no inverno: vacinas previnem doenças respiratórias

Cuidados no inverno: saiba como proteger sua saúde durante a estação

Gripe, meningite e pneumonia são algumas das infecções que exigem cuidados no inverno. Saiba quais vacinas garantem a prevenção.

Saúde Livre Vacinas, 23 de junho de 2022